Há sempre um pôr-do-sol

/

PORQUE HÁ SEMPRE UM PÔR-DO-SOL… e o nascer de um novo dia.

Pensem nisto quando se depararem com problemas (que não de saúde). Tudo se relativiza menos a oportunidade de viver e de sermos felizes já. ❤ Um ano 2017 fantástico para todos!!! #viverenaoteravergonhadeserfeliz

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

A prova de que o nosso trabalho faz sentido

/

Não tenho palavras para o dia de hoje!!! Acabámos de vencer não um, mas dois prémios Escolha do Consumidor. A Men’s Health e a Women’s Health são as revistas do ano nas categorias Lifestyle Masculino e Feminino, respetivamente. Grande dedicação das equipas – não estão todos nesta foto – e, sobretudo, uma comunidade de leitores que nos obrigam, e bem, a superar-nos dia após dia.

Um obrigado pessoal às equipas MH e WH, leitores/as, colaboradores, bloggers WH/MH, marcas que acreditam que somos parceiros perfeitos, agências de comunicação e de meios, publicist… a todos os que diariamente nos dão a certeza de que o nosso trabalho faz sentido!!! Obrigado.

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Vida selvagem que me fascina… Os pinguins-imperador

/

Sabiam que os pinguins-imperador deixam o mar e percorrem mais de 100 km para chegar ao local onde costumam acasalar? Estamos a falar de lugares com temperaturas de 40ºC abaixo de zero. Aqui há um encontro de “casais”, a fase de “namoro” e inicia-se uma longa relação. Assim que põem de um único ovo, Ver mais

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

O mundo pode mudar a partir de Lisboa

/

Web Summit. Hoje estive por lá e o evento superou as minhas expetativas. Tenho um amigo que vive no Canadá e que há imensos meses me tem vindo a alertar para a mudança da Web Summit para Lisboa. “Pedro, é imperdível. Aquilo que andamos a falar há anos, milhares de pessoas vão ver pessoalmente”. A verdade é que há dois anos atrás já tínhamos reunido com João Vasconcelos, quando este liderava a Startup Lisboa – hoje secretário de Estado da Indústria -, e falado do imenso potencial de Portugal para empreendedores. A partir de hoje, estou certo que o nosso país fica definitivamente no mapa das oportunidades para angels, etc.

Pela FIL e Meo Arena, o difícil é Ver mais

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Expressões nossas

/

“Tá o mar fête um cão, tá de roje. Hoje na há mar à Pinoca, nem carrêras p’ápanhar. Calor ’tá acamade. Fri viste-o. Ah terras lindas, n’á pai”.

É provável que estas frases só sejam entendidas pelos nazarenos. Temos expressões únicas e uma espécie de provérbios locais. E é tão bom! Arrisco uma interpretação:

Ver mais

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Para ti…

/
Para ti…
De que somos feitos? O que nos fizeram? Não devia ser assim? Dói. Não entendo porque foste. Espera. Sorri. Sê forte. Resiste. Não é a tua hora. Espera. Não me faças isso. Mulher de negro. Destemida. Mulher de luta. Trabalho árduo. Espera. Não me faças isso. O cansaço chegou. O sangue escoou. A mente parou. Ai que dói tanto. Espera. Não me faças isso. Coração de aço, partido. Não aguento mais. Rio de choro invisível. Será que faz sentido? Espera. Não me faças isso. Flashes de uma vida. Lembrar-me de ti desde que nasci. Lembrar-me de nós. Obrigado. Ai que dói tanto. Espera. Não me faças isso. Mãos do tempo. Rugas de tanto trabalho. Telefone não toques. Não quero essa notícia. Ainda não é o tempo. Não devia ser. “Eu quero é viver”. Disseste tanto. Mas os teus olhos já não eram os meus. Mesmo com a última gargalhada que me deste. Ai que dói tanto. Espera. Não me faças isso. Está quase. Estava quase. Mas é melhor. Dói aceitar isso. Não dá mais. O coração desistiu. Foi pequeno para a grande mulher que foste. Vai. Faz-me esse favor. Descansa agora. Nunca te esquecerei. Ai que dói tanto. Mas foi melhor.
Do teu querido neto,
Pedro Lucas
(Desculpem este desabafo, mas precisei de deixar escrito o aperto que senti na última noite ao lado da minha avó. Reflete o amor incondicional a uma das mulheres que mais ajudou a definir o ser humano que hoje sou)
Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone