O mundo pode mudar a partir de Lisboa

/

Web Summit. Hoje estive por lá e o evento superou as minhas expetativas. Tenho um amigo que vive no Canadá e que há imensos meses me tem vindo a alertar para a mudança da Web Summit para Lisboa. “Pedro, é imperdível. Aquilo que andamos a falar há anos, milhares de pessoas vão ver pessoalmente”. A verdade é que há dois anos atrás já tínhamos reunido com João Vasconcelos, quando este liderava a Startup Lisboa – hoje secretário de Estado da Indústria -, e falado do imenso potencial de Portugal para empreendedores. A partir de hoje, estou certo que o nosso país fica definitivamente no mapa das oportunidades para angels, etc.

Pela FIL e Meo Arena, o difícil é conseguir assistir a tudo, tal é a importância das temáticas disponíveis ao longo do dia. Mas esta é claramente uma semana de oportunidades e de aprendizagem. As oportunidades de negócio, de conhecimento, de contatos, de inspiração… Neste último campo, quem me conhece mais de perto sabe que sou um homem de frases e atitude. Não sei porquê, mas sempre me motivaram, desde os tempos da Faculdade em que devorava livros de Richard Brandson, entre outros. Portanto, tendo à minha frente génios 2.0, pareço uma autêntica criança a aproveitar ao máximo cada minuto da Web Summit. Afinal, por cá “discute-se” provavelmente muito do que se passará a curto prazo no mundo digital, e ambos sabemos o quanto este influencia o nosso dia a dia.

De hoje, saliento a frase de Jefferson Hack, co-funder e publisher da Dazed: “David Bowie said: ‘If you feel comfortable or safe, then move on.’ This comfort is the antithesis of creativity.”afsc63

 

 

Tão simples quanto isso: se trabalhamos num registo monótono, dificilmente produziremos o que conseguimos e o que os nossos superiores esperam de nós. Se os projetos têm de se reinventar constantemente, quem faz parte deles também deve procurar motivar-se diariamente. Fazer mais pelo projeto é sinónimo de fazer mais por si. É claro que isto varia de pessoa para pessoa. Há quem tenha o seu lugar nos projetos e trabalhe quase que em velocidade cruzeiro e há os que se desafiam diariamente para se tornarem (quase que) imprescindíveis. É neste sentido que estou de acordo com Jefferson: se estivermos confortáveis com o que fazemos deixamos de ser criativos. Caímos na monotonia. Temos de nos desafiar, superar constantemente e provar mesmo que somos bons no que fazemos.

E amanhã há mais #websummit

Partilha
Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestTweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Comentários